A ArcellorMittal vai colocar um alto-forno de 1,5 milhões de toneladas por ano no seu local em Dunquerque. Esta é a quarta não-actividade verificada para a planta francesa.

A razão para esta suspensão deve-se ao facto de não ter sido registada qualquer actividade devido a uma procura real marginalmente mais fraca, especificamente no sector automóvel devido a problemas contínuos na cadeia de abastecimento.

Anuncios

De acordo com os últimos dados da S&P Global Commodity Insights, a bobina está em declínio de acordo com os últimos dados. Isto significa que os últimos dados indicam que a bobina está abaixo do pico de 18 de Março de 1.460 EUR/mt, ou seja, acima de 960 EUR/mt, o que representa uma melhoria para fabricantes e consumidores, e afasta-a gradualmente dos máximos históricos.

Apesar da procura e do consumo por grosso entre os distribuidores, a procura final foi baixa este ano. O aço automóvel foi atingido pela escassez de vários componentes. Os expedidores têm grandes stocks de bobinas devido à compra excessiva há dois meses, o que resultou numa grande necessidade destes artigos, mas agora não mostraram muito interesse. O preço foi mais baixo durante os últimos três meses, devido ao desinteresse e ao excesso de oferta.

Segundo uma fonte comercial em Itália, a próxima paragem do forno em Dunquerque não seria suficiente para resolver os problemas, aumentando assim as queixas do sector industrial. São necessários cortes de produção mais activos.

Uma fonte afirmou que as siderurgias fizeram o mesmo durante o confinamento de 2020, uma vez que anunciaram cortes de produção e paragens de fornos. Além disso, não parece claro se vão recomeçar ou não, com algumas pessoas a dizer que esperam uma recuperação dentro de alguns meses, mas outras a acreditarem que até lá os moinhos terão de manter os seus fornos ociosos.

Agora que a UE tem políticas de emissões cada vez mais rigorosas, as siderurgias estão a introduzir uma redução nos seus espaços abertos para o gás utilizado nos fornos. Alguns argumentam que é difícil gerir os elevados custos acrescentados do combustível quando este não está disponível.